Arquivo para dezembro, 2009

Fotografia marinha

Posted in Inspiradores on 27/12/2009 by afotobrasilia

O fotógrafo Paul Nicklen é formado em biologia marinha. Mas no dia anterior ao último exame da faculdade, teve uma ‘grande revelação’: começou a rascunhar em um papel sua carreira como fotógrafo de natureza. E tudo o que ele escreveu, foi determinado em ir atrás.

Colaborador da National Geographic, vencedor do Wildlife Photographer of The Year 2009 e autor do livro Polar Obsession, já foi atacado por um macho de elefante-marinho de 4 toneladas. Usando como escudo a caixa estanque de sua câmera, conseguiu escapar apenas com os pulsos torcidos.

O vídeo mostra um encontro com uma foca-leopardo que tentou alimentá-lo por 4 dias:

http://www.wimp.com/photographerpredator/

Lomografia ganha adeptos em Brasília

Posted in Notícias on 26/12/2009 by afotobrasilia

Mania na Europa desde a década de 1980, a lomografia ganha adeptos em Brasília. A ordem é não seguir as regras da fotografia tradicional

Nahima Maciel

Publicação: 26/12/2009 08:00 Atualização: 26/12/2009 10:02

Correio Braziliense

A lomografia se pratica com uma pequena câmera de plástico e tem 10 mandamentos. O mais curioso deles é nunca pensar antes de apertar o clique da máquina fotográfica. Se o praticante obedecer a esse princípio, conseguirá produzir uma autêntica imagem Lomo. Para levar o selo, a foto nada pode ter de planejada ou montada. As cores não são perfeitas, o foco, muitas vezes, nem sequer existe e, se a composição parecer um mosaico, melhor ainda. A regra básica da lomografia é não seguir a nenhuma norma que serve de guia ao mundo formal da fotografia. Mania surgida no Leste Europeu(1) na década de 1980, a prática começa a ganhar adeptos em larga escala no Brasil. Se lá fora é muito popular, por aqui ainda fica restrita a um grupo pequeno de fotógrafos e amadores curiosos e corajosos. Para quem gosta de fazer experiências, é um mundo encantado.

Janaína Miranda

Quando Janaína Miranda viu uma Holga (modelo clássico da marca Lomo) pela primeira vez, não resistiu. O aparelho pertencia a uma amiga e ela pediu emprestado. Para o trabalho comercial, Janaína usa câmera digital e analógica. Nas produções mais autorais, gosta de manipular filme e imagem, inverter negativos, estourar luzes. A Lomo virou um fetiche. “Gosto da imprevisibildade da coisa. A Lomo é uma grande surpresa. Você tem uma câmera de plástico, que vaza luz, é tudo errado”, brinca.

Produzida por uma fabricante austríaca de câmeras de plástico inspiradas em modelos toscos vendidos no leste da Europa em países do antigo bloco socialista, a Lomo tem pelo menos 20 modelos diferentes. A Holga é a clássica, mas há também a Diana, com direito a flash, a Pop 9, com nove minúsculas lentes de plástico, que repetem a mesma imagem em um único clique e uma olho de peixe capaz de resultados inusitados.

Humberto Lemos

Em Brasília, há poucos lomógrafos. No entanto, eles foram suficientes para Humberto Lemos, fundador do Fotoclube f/508, decidir montar o primeiro ponto de venda das câmeras no Brasil. Comprou 56 exemplares de uma importadora carioca e vendeu 47. “A Lomo hoje é considerada uma estética e tem toda uma filosofia. O lomógrafo tem um perfil jovem e a estética flutua em torno de um certo descompromisso antes de fotografar. As cores são supersaturadas e os resultados, inesperados. Quando você fotografa em analógico, consegue prever o resultado. Com a Lomo não, é uma coisa muito espontânea”, explica Lemos.

Ser um lomógrafo é cult e significa pertencer a uma pequena tribo de descolados. Para Lemos, a moda funciona como uma maneira de defender a fotografia analógica entre o público jovem. Enquanto a tecnologia digital democratiza o acesso à fotografia, a Lomo recupera um certo romantismo da produção de imagens analógicas. A expectativa começa na total falta de controle desde o enquadramento – muitos desses aparelhos são tão toscos que nem sequer têm visor –  e se estende à revelação de efeitos inesperados. “Você prolonga o prazer da fotografia, é uma delícia”, constata Humberto Lemos.

Rinaldo Morelli

“Ela te pede que você não seja tradicional na forma de fotografar”, completa Rinaldo Morelli. O fotógrafo descobriu a Lomo fuçando na internet. Em 2004, comprou a primeira câmera, um modelo azul, de plástico, com uma sequência de quatro lentes que permitem o registro da mesma imagem. O desafio é conseguir que cada registro seja diferente. Depois, Morelli adquiriu um aparelho com quatro lentes dispostas em formato quadrado. “É antidigital”, brinca. “É bacana porque você desconstrói o ato rígido de fotografar. E como há uma desconstrução da tecnologia, há um preconceito de que não rende boas fotos. Não acho isso. O lowtech me encanta porque é mais desafiador.”

Arthur Monteiro

O fotojornalista Arthur Monteiro se encantou com a Lomo por causa de um defeito. Um problema nas lentes faz com que as imagens ganhem contornos pretos, o que Monteiro chama de vinhetagem. “Todas as Lomos que possuo acabam fazendo isso. Achei interessante, deu um ar especial à imagem. Infelizmente, o mercado aboliu de vez o analógico, mas para mim é o hobby da minha profissão. É uma coisa meio paranoica, mas também nostálgica.”

A lomografia é um movimento com tantos adeptos que tem direito a comunidades na internet, especialmente nos sites de postagem de fotos. Em algumas páginas do Filckr, os praticantes explicam que a lomografia é uma filosofia na qual se privilegia o instante em detrimento do objeto. Na comunidade intitulada Lomo, um pedido fundamental orienta a postagem das fotos: “Por favor, nada de falsas Lomos ou Lomos digitais”.

Cronologia Lomográfica

[1982] O nascimento


NAS CALMAS RUAS DE ST. PETERBURGO, RÚSSIA, COMEÇA O FENÔNOMENO DA LOMOGRAFIA!

O General Igor Petrowitsch Kornitzky, braço direito do então Ministro da Defesa e da Indústria Soviéticos, encontrou uma pequena câmera fotográfica japonesa sobre a mesa de ornamentos de seu camarada Michail Panfilowitsch Panfiloff. O Sr Panfiloff, diretor da poderosa indústria Russa de equipamentos ópticos e bélicos, examinou cuidadosamente a câmera, notando sua fina lente de vidro, extremamente sensível a luz, e seu corpo robusto. Os dois senhores, percebendo a natureza superior e o grande potencial daquele pequeno ítem, deram ordens imediatas para copiar e melhorar seu design – com o objetivo de se produzir a maior quantidade possível para o prazer a glória da população soviética. Ficou decidido: todo comunista respeitável deve possuir sua própria LOMO KOMPACT AUTOMAT.

A LC-A nasceu e logo milhões de unidades foram produzidas e vendidas. Os soviéticos e seus “amigos” vietnamitas, Cuba e a Alemanha Oriental, fotografaram alegremente durante os anos oitenta, documentando os últimos suspiros do comunismo, e ocasionalmente as férias no Mar Negro.

Leia a cronologia completa aqui.

Hotel LaChapelle

Posted in Estante fotográfica on 16/12/2009 by afotobrasilia

Nome: Hotel LaChapelle
Autor: David Lachapelle
Editora: Bulfinch
Local da Edição: China
Data: 1999

Hotel LaChapelle traz uma coleção de exêntricos retratos, extremamente coloridos, encomendados pelas pricipais revistas do mundo. Famosos de variadas áreas da cultura pop participam do universo de fantasias e imaginação idealizados pelo fotógrafo entre 1996 e 1999.

Rede de Produtores Culturais de Fotografia do Brasil

Posted in Notícias on 12/12/2009 by afotobrasilia

A Rede de Produtores Culturais de Fotografia do Brasil foi criada esse ano, no 1º Encontro de Agitadores Culturais da Fotografia, durante o Paraty em Foco. A idéia é estreitar as relações com o Ministério da Cultura a fim de desenvolver políticas públicas de fomento à fotografia no Brasil.

Esta semana o grupo se reuniu com o Ministro da Cultura, Juca Ferreira e o Ricardo Resende, da Funarte. Entregaram a Carta de Paraty e foram sugeridas ações em parceria com o Ministério e a Funarte. Este último sugeriu um edital para financiamento de encontros, festivais e iniciativas afins, além da continuidade dos editais de incentivo à produção fotográfica.

O grupo fará uma pesquisa sobre as iniciativas nacionais no campo da fotografia e um mapeamento dos grupos ativos em cada região.

Os produtos desta pesquisa são a criação de um site e a realização de um encontro, além de uma assembléia da RPCFB, em 24 de fevereiro de 2010.

Foi marcada uma segunda reunião da rede com a Funarte, para o dia cinco de janeiro de 2010.

Fonte: Blog Paraty em Foco

Por que eu fotografo? Nicolau El-Moor

Posted in Por que eu fotografo? on 12/12/2009 by afotobrasilia

Por que eu fotografo? Mauricio Zanin

Posted in Por que eu fotografo? on 12/12/2009 by afotobrasilia

Por que eu fotografo? Lourenço Cardoso

Posted in Por que eu fotografo? on 12/12/2009 by afotobrasilia